Ensino presencial ou a distância, qual escolher?

Adquirir novas habilidades é fundamental. Mas o que é melhor: o ensino presencial ou a distância?

O mercado de trabalho está cada vez mais concorrido e, para obter o destaque necessário, e preciso qualificar-se permanentemente. Não importa a carreira, é preciso procurar novas informações e técnicas, no ensino presencial, semi-presencial ou a distância.

De acordo com a legislação brasileira, apenas os cursos livres – informática, idiomas, artes e artesanato, estética, informação profissional, etc. – podem ser realizados totalmente a distância, além das muitas escolas presenciais que mantêm turmas regulares. São cursos dispensados do acompanhamento e supervisão do Ministério da Educação (MEC), que podem aplicar online inclusive as avaliações.

A principal vantagem dos cursos online é que a maioria deles é ministrada com vídeos previamente gravados, permitindo o início imediato e nos horários mais adequados para os alunos. É importante verificar se a escola oferece tutoria, plantão tira-dúvidas, apostilas e certificado de conclusão. Uma vez que estes cursos não são submetidos a nenhuma avaliação oficial, vale procurar reclamações em sites de defesa do consumidor e procurar depoimentos de ex-alunos.

Com relação aos cursos regulares – da educação básica à pós-graduação – eles só são oferecidos nas modalidades presencial ou semi-presencial. Até os 16 anos, crianças e adolescentes só podem realizar cursos livres a distância: os níveis fundamental e médio de ensino devem ser cursados numa escola física.

Adolescentes e adultos que não foram escolarizados na idade adequada podem, a partir dos 16 anos, inscrever-se na Educação de Jovens e Adultos (EJA) para o ensino fundamental e dos 19 anos, para o ensino médio.

Para a alfabetização e os dois ciclos do ensino fundamental, é possível matricular-se em turmas mantidas pela EJA em escolas públicas e as filiadas ao sistema “S” (SESC, SEST e SENAT), além de turmas organizadas por instituições religiosas e empresas.

Para toda a educação básica, as turmas de jovens e adultos da EJA oferecem carga horária diferenciada, para não interferir nas atividades profissionais dos alunos. Algumas escolas apenas fornecem o material de estudos e o apoio de professores orientadores, sem necessidade de frequência.

Para a conclusão do ensino fundamental, nem é preciso inscrever-se para a avaliação final: basta ir à “sala de provas” da escola em que está matriculado e requerer o caderno do ENCCEJA (Exame Nacional para Certificação de Jovens e Adultos).

Já para a obtenção da conclusão do ensino médio, é preciso inscrever-se no ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio), que, a partir de 2013, será aplicado duas vezes a cada ano.

Cursos técnicos e universitários

A principal dúvida, no entanto, para escolher entre o ensino presencial ou a distância, está no momento da opção da carreira profissional ou acadêmica. O ensino presencial é ideal especialmente para os jovens, que se beneficiam da vivência universitária, no contato direto com professores e colegas. Muitos estudantes necessitam do apoio dos docentes para manter atenção e foco nos estudos, nas discussões e seminários e, apesar de os cursos a distância (semi-presenciais) também oferecerem momentos de relacionamento, nas atividades práticas, provas e eventos, isto ocorre apenas uma ou duas vezes por semana.

No entanto, existe outra questão a ser resolvida antes de se decidir: algumas cidades brasileiras não possuem faculdades, sendo necessário o deslocamento diário (ou mesmo a transferência) para centros maiores. Por outro lado, o problema, nos municípios médios e grandes, são as distâncias – muitas vezes, os congestionamentos impedem a frequência regular, o prejudica o rendimento escolar.

Nestes casos, a opção pelo curso a distância pode garantir uma formação adequada. Diversas instituições públicas e privadas de nível técnico e superior mantêm polos de apoio presencial em diversas localidades próximas à sua sede, aproximando a escola ou faculdade de comunidades menores. Só é preciso ter acesso à internet, em casa, numa lan house ou num telecentro.

A ideia é relativamente antiga. Em 1969, foi fundada a Universidade Aberta de Londres (Inglaterra), a primeira universidade virtual do mundo. Aqui, a ideia foi implantada em 2005, com a criação da Universidade Aberta do Brasil, cuja meta inicial era capacitar professores leigos (sem formação universitária) espalhados principalmente nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Atualmente, estão implantados mais de 650 polos de apoio e o número de cursos foi ampliado para outras áreas do conhecimento.

Muitas universidades adaptaram o modelo proposto pelo governo federal e multiplicaram as vagas oferecidas, inclusive para especializações e pós-graduações. Comparações entre as notas do ENEM e do ENADE (Exame Nacional do Desempenho de Estudantes, aplicado em calouros e concluintes de diversos cursos universitários) revelam os alunos de cursos a distância apresentam ligeira vantagem no rendimento escolar.

Seja qual for a opção – presencial, semi-presencial ou a distância –, o importante é avaliar a instituição antes da matrícula ou inscrição no processo seletivo. É preciso verificar a qualidade das salas de aula, laboratórios, bibliotecas, espaços de vivência, qualificação dos professores e a reputação da instituição. De nada adianta passar anos numa escola ou faculdade que, via de regra, tem seus estudantes preteridos nos processos de seleção das melhores empresas do mercado.

Receba atualizações do Blogadão no seu email,
ganhe brindes e participe de promoções!
É gratuito!

Comente no Facebook

Comente

Quer ser avisado(a) de novas publicações?
CURTA NOSSA PÁGINA para não perder os próximos 😉