Curiosidades Pratos típicos: como surgiram?

Pratos típicos: como surgiram?

A culinária italiana é famosa por seus pratos, especialmente pelas pastas. No entanto, elas surgiram em pontos diferentes do mundo: o macarrão foi criado há mais de três mil anos pelos assírios e era muito comum entre os chineses, e só introduzido na Europa no século XIV, depois das famosas expedições de Marco Polo, que estabeleceram a Rota da Seda. Outros historiadores afirmam que os árabes foram os inventores do macarrão, introduzido na Sicília quando os muçulmanos tomaram a ilha, no século XIII.

Mesmo assim, o macarrão não fez muito sucesso. A fama do prato só surgiu quando os exploradores europeus trouxeram o tomate da América. Inicialmente, era uma planta ornamental, porque produz belos frutos várias vezes ao ano. Mas os supersticiosos europeus tinham medo de provar a fruta, já que a cor vermelha está associada à paixão e, portanto, ao pecado. Como os tomates apodrecem rapidamente, alguém teve a ideia de amassá-los. A união do macarrão, seja chinês, seja árabe, com o molho, deu origem à famosa macarronada da mama, que se espalhou pelo mundo todo.

A pizza surgiu no Egito e foi levada pelos judeus, que a batizaram de “pão de Abraão”, o patriarca de Israel. No início, era consumido apenas o disco de massa de trigo, como o atual pão ázimo ou sírio. A diferença está na levedura: enquanto os pães levam fermento da sua produção, a pizza não é levedada (conta a lenda que, na fuga do Egito, os hebreus não tiveram tempo de deixar crescer suas massas e seu primeiro alimento foi o pão ázimo, tradição mantida até hoje na Páscoa judaica).

Posteriormente, foram acrescentados condimentos e ervas ao pão achatado e, milhares de anos depois, eles já eram comuns em todo o Mediterrâneo e os italianos os comiam com rodelas de tomate, dobrados ao meio. no século XIX, um padeiro decidiu agradar a família real e incluiu mussarela e manjericão: o disco ficou com as cores da bandeira italiana – branco, verde e vermelho. Em homenagem à rainha Margherita e ao rei Umberto I. Até hoje, a margherita faz muito sucesso nas pizzarias.

Mais antiga ainda é a história lendária ou real do bife tartar. Conta-se que cavaleiros tártaros (povo nômade da Ásia central) barbarizaram a Europa a partir do século IV. Suas ações eram rápidas e fulminantes e os deslocamentos eram constantes. Como não tinham tempo de parar para cozinhar, comiam carne e cebolas cruas, que eram moídas durante as cavalgadas. Assim nasceu o prato famoso na França, com carne moída ou picada, marinada com cebola.

Os peruanos inventaram o ceviche: é apenas peixe cru, fermentado com algas e ervas. Com o avanço da navegação, a pesca em alto mar tornou-se comum e os pescadores precisavam se alimentar nas longas horas que passavam embarcados. Para reservar o problema, pegavam pedaços de peixe, misturavam sal e limão e deixavam-nos tampados sob o sol: em poucos minutos, o prato típico do Peru fica pronto.

Os japoneses começaram a cultivaram arroz em 2500 a.C. Antes disso, eram nômades, caçadores e coletores. Três mil anos depois, os motis (bolinhos de arroz), juntamente com o saquê, a bebida tradicional do país, eram indispensáveis nas comemorações. Com a maior facilidade de contato com o continente, o Japão importou os hashis e o koji, uma espécie de fermento utilizada no preparo do missô. No século VII, foram proibidas a criação e consumo de aves (com exceção do frango), porco e boi. A única carne permitida era o peixe (coelhos e javalis podiam ser consumidos em algumas épocas do ano), o que estimulou a criatividade dos japoneses no preparo de frutos do mar.

Quando os missionários europeus chegaram às ilhas nipônicas, introduziram vários produtos ocidentais, como a abóbora, batata-doce, milho e pimenta. A carne de vaca foi liberada e as frituras foram apresentadas aos orientais. Na Quaresma, período em que é interditado o consumo de carne para os católicos, havia sido criado um prato nos conventos portugueses que se tornou um clássico da comida japonesa: “ad tempora quadragesimae” (no tempo da Quaresma), mais conhecido como tempurá.

No Brasil

A feijoada brasileira é envolvida em lendas. A tradição diz que os grandes fazendeiros consumiam muita carne suína, mas desprezavam alguns cortes, como orelhas, rabo, pés, etc. Estas peças eram reservadas para os escravos, que, para conservá-las, usavam o sal, forma comum de retardar a putrefação, também usada pelos marinheiros das Grandes Navegações, que salgavam peixes – especialmente o bacalhau – para consumi-los nas longas viagens entre Europa e América.

Os escravos brasileiros, em algum momento, cozinharam os rejeitos de porco com feijões e assim surgiu a feijoada. A tradição ainda diz que, certa vez, um senhor de engenho, para punir o filho, prendeu-o na senzala. Foi a primeira vez que um branco experimentou o principal prato típico do Brasil, que se espalhou por todo o país.

Os carreteiros tiveram grande importância na ocupação do país. Eram condutores que transportavam os mantimentos nas comitivas organizadas para conduzir o gado para áreas de pastagem ou abate. Arroz e charque – carne bovina salgada – eram muito importantes, por serem produtos de longa durabilidade.

As comitivas seguiam preferencialmente os cursos dos rios, e era neles que o carreteiro dessalgava o charque. Em seguida, picavam-no e juntavam o arroz. Trata-se de uma comida extremamente energética, por ser praticamente proteína e carboidrato. Quem está pensando em encarar um arroz de carreteiro, deve pensar em uma saladinha na entrada.

ÚLTIMAS POSTAGENS

PUBLICAÇÕES RELACIONADAS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui