Curiosidades Penas de morte pelo mundo

Penas de morte pelo mundo

A pena de morte é adotada desde o primeiro código penal da humanidade. Durante milênios, foi utilizada para punir os mais diversos crimes, mesmo porque a construção de cadeias é uma invenção relativamente recente. Estudos indicam que as execuções não reduzem a criminalidade – alguns Estados americanos suspenderam e reativaram este dispositivo legal, sem alterações significativas no número de crimes hediondos. Mesmo assim, diversas nações mantêm estranhas maneiras de executar a pena capital.

Existem tratados internacionais visando à eliminação da pena de morte. 96 países aboliram totalmente as execuções; em outros nove, inclusive o Brasil (que oficialmente executou seu último condenado em 1876, sem contar os esquadrões da morte e os tribunais do crime), a pena é prevista em casos excepcionais, como crimes de guerra, mas 78 países mantêm forcas, injeções letais, cadeiras elétricas e tiros na nuca como forma de tentar coibir atos ilegais, enquanto em outros 22 preveem a punição, mas ninguém foi condenado nos últimos dez anos.

Um pouco de história

A pena de morte é uma forma de vingança: o indivíduo lesa a sociedade, que, em troca, tira a sua vida. O Direito atual trata o crime de outra forma: pune o criminoso visando ao seu arrependimento, capacitação e reintegração social. Mesmo que isto esteja longe da realidade prática, é um grande avanço: o Estado não se torna assassino, por exemplo, para punir um assassino.

Mas nem sempre foi assim. A lapidação (ou apedrejamento) foi largamente aplicada por diversos povos, inclusive para exterminar indivíduos indesejáveis, como leprosos e deficientes. No Antigo Testamento, muitas páginas são dedicadas às punições. Adultério, homossexualismo e feitiçaria eram práticas que determinavam a pena de morte.

Na Roma antiga, as crucificações eram adotadas oficialmente – os piratas do Mediterrâneo costumavam crucificar suas vítimas à beira-mar na maré baixa, para que se afogassem na elevação do nível do mar. Degolas, esfolamentos, esquartejamentos e enforcamentos tinham a vantagem de ser mais rápidas, poupando sofrimento para os condenados.

Na Idade Média, o sadismo prevaleceu. Pessoas eram defenestradas (atiradas do alto de sacadas ou montes), queimadas em fogueiras e mesmo fervidas lentamente em água ou azeite. Antes da execução, eram submetidas a torturas para que confessassem seus crimes, supostos ou reais. Um “teste” para descobrir se alguém praticava bruxaria era bizarro: atirava-se o suspeito num rio ou lago, com uma pedra atada ao pescoço: se ele flutuasse, certamente era bruxo; se imergisse, era inocente.

Mesmo assim, quase sempre morria, porque não havia salva-vidas de plantão.

Joseph Guillotin propôs um método “humano” para executar os condenados: a guilhotina, uma lâmina que desce rapidamente num trilho metálico, degolando a vítima em segundos. Durante a Revolução Francesa, entre 1792 e 1799, 40 mil “inimigos da República” foram mortos com este método.

Pena de morte hoje

O fuzilamento é o método de execução mais utilizado atualmente: 73 países o adotam. Em alguns, o condenado é posicionado em frente a uma parede e recebe balas de um pelotão de atiradores. A justificativa é que não se saiba com certeza que foi o responsável direto pela morte. Na China, entretanto, há uma situação curiosa: a execução é feita com um tiro na nuca e a família da vítima precisa arcar com as despesas de munição. O país do Oriente é o campeão da pena de morte: mil criminosos foram executados em 2010.

A cadeira elétrica, inventada em 1890, e a câmara de gás, usada pela primeira vez em 1924, são execuções privativas dos EUA. Na primeira opção, uma forte corrente elétrica percorre o corpo do condenado garantindo morte rápida (o que nem sempre se verifica, motivo por que vários Estados aboliram a pena). Na segunda, o indivíduo é encerrado numa pequena sala preso a um leito e gases mortais, como o cianureto de potássio, são introduzidos no ambiente. A morte ocorre por asfixia.

No Estado de Washington, noroeste do país, o enforcamento ainda é previsto em lei.

A injeção letal, também usada nos EUA, é o mais novo método de execução de condenados. Está em vigor desde 1982 e consiste em aplicar substâncias mortais por via intravenosa. China, Taiwan, Guatemala e Tailândia também aplicam o método.

Na maioria dos países muçulmanos, pratica-se a Sharia, baseada em textos do Corão, o livro sagrado do Islamismo. Pessoas casadas que cometem adultério são apedrejadas. Para que os condenados não fujam, homens são enterrados até a cintura e mulheres, até a altura do peito.

O número de mulheres condenadas é muito maior que o de homens e muitas vezes a execução é realizada sem julgamento, pelos próprios homens da família. Em alguns países, como Nigéria e Irã, as mulheres não têm o direito de pedir o divórcio (ao contrário de seus maridos) e os homens podem ter diversas esposas, além de poder fazer sexo com uma solteira, através do casamento provisório.

ÚLTIMAS POSTAGENS

PUBLICAÇÕES RELACIONADAS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui