Internet Os novos domínios da internet

Os novos domínios da internet

A Internet Corporation for Assigned Names and Numbers (ICANN), órgão internacional responsável pelos domínios da internet, aprovou o uso de novas extensões de domínios. A partir de agora, será possível utilizar não apenas os já conhecidos .com, .net, .org, etc., mas extensões personalizadas para empresas, marcas e até produtos e promoções.

São os chamados Top Level Domains (TLD). Hoje, ao todo, apenas 23 extensões são permitidas, algumas específicas, como .gov (para órgãos do governo) e .edu (para centros universitários e universidades). Empresas e organizações poderão utilizar .carro ou .banco em seus sites. Assim, um corretor de imóveis poderá ter seu assim seu endereço eletrônico: fulanodetal@imobiliaria.imoveis.br.

O plano de expansão das extensões foi anunciado pela primeira em 2008, no 32º encontro da ICANN em Paris (França). A aprovação ocorreu em Cingapura, n0 41º encontro.

De acordo com a corporação, a mudança marca o início de uma nova era para a rede mundial de computadores. Os novos endereços eletrônicos serão personalizados e, como as empresas deverão atender a determinados requisitos para obter o novo domínio, a navegação virtual se tornará mais segura.

Em sites de busca, a pesquisa através das extensões ficará mais rápida, apresentando resultados objetivos: pesquisando .banco, por exemplo, surgirão apenas instituições bancárias, enquanto hoje os resultados da pesquisa “banco” relaciona móveis, notícias sobre bancos na imprensa, etc. Por fim, poderá surgir a extensão .xxx, para sites eróticos, o tema mais acessado na internet no mundo todo.

A cada nova extensão criada, a empresa ou pessoa se torna responsável pelo sufixo, definindo regras para o uso. Desta forma, se um brasileiro tiver aprovado o uso da extensão.livro.br., terá que definir os critérios mínimos para a concessão desta permissão e poderá explorar comercialmente o sufixo, recebendo parte dos direitos.

As inscrições para sites com extensão .ong (ou .ngo, para sites em inglês), destinada a organizações não governamentais, já estão abertas e os novos sites devem estar disponíveis em 2014. A organização que recebe as manifestações de interesse é a Public Interest Registry através do site www.ngotld.com, mas organizações brasileiras precisam cumprir as determinações da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), responsável pelo registro de domínios no país, e do Núcleo de Informação e Coordenação do ponto BR (nic.br), comitê gestor da internet do Brasil. A obtenção do domínio .ong é especialmente importante para quem quer captar recursos através da rede mundial.

A ICANN prevê que serão criados inicialmente entre 300 e 1.000 domínios. Mas a opção é cara: o investimento no domínio personalizado é de US$ 185 mil (R$ 370 mil), com uma taxa anual de renovação de cerca de US$ 25 mil (R$ 50 mil). Num primeiro momento, a novidade deve ser adotada por grandes corporações e instituições públicas que investem muito em comunicação. Especialistas brasileiros, no entanto, acreditam que o serviço não sairá por menos de R$ 500 mil anuais.

A imensa maioria das 150 empresas que já manifestaram interesse pelas novas extensões (92%) está optando por utilizar .suamarca (por exemplo, empresas brasileiras querem criar as extensões .natura, .bradesco, .itau, .uol, ipiranga, .globo e .vivo). Pouco mais de 10% das corporações querem também adotar extensões genéricas, como .magazine ou .editora. Algumas empresas escolhem personalizar sites para produtos específicos, como www.gol.volkswagen.br.

ÚLTIMAS POSTAGENS

Artigo anteriorO charme de Búzios
Próximo artigoOs deuses do Olimpo

PUBLICAÇÕES RELACIONADAS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui