Cotidiano Estética O que é aromaterapia?

O que é aromaterapia?

A aromaterapia é um ramo da fitoterapia, ciência que estuda a aplicação de ervas para a cura de doenças. Existem registros muito antigos do uso da cânfora e do ginseng, por exemplo, na China antiga: datam de 3000 a.C. Mais recentemente, verificou-se a eficácia da aromaterapia, com o uso pétalas, flores e frutos ou de óleos essenciais extraídos de algumas plantas, que podem ser usados puros (apenas com a inalação do aroma), diluídos em catalisadores que aumentam o poder de absorção pela pele (em cremes, loções, géis, etc. para massagens e compressas), em bochechos, gargarejos, escalda-pés e outras aplicações.

De acordo com os efeitos desejados, a densidade (e também a cor e perfume) dos produtos utilizados na aromaterapia é diferente. Ela provoca efeitos físicos, mentais e emocionais, ao alterar a respiração, frequência cardíaca, pressão arterial, capacidade de concentração ou de relaxamento, etc.

Ao contrário da fitoterapia, que possui diversos resultados cientificamente comprovados (e a maioria dos tratamentos fitoterápicos ainda demandar muitos estudos, já que boa parte das ervas, raízes, folhas e flores usadas nas famosas receitas caseiras usadas regularmente por povos nativos e também por comunidades que absorveram estes conhecimentos empíricos ainda não terem sido classificadas), a aromaterapia é classificada como terapia holística.

Ela faz parte dos tratamentos que visam tratar os pacientes como um todo, sem separar corpo e mente. O holismo promove a saúde integral, e não o combate individual a problemas localizados (como uma crise de enxaqueca ou um quadro depressivo). Apesar dos muitos depoimentos de pacientes satisfeitos, não há – ainda – experimentos científicos que comprovem sua eficácia.

Além disto, existem muitos “especialistas” sem conhecimento acadêmico (e com pouco ou nenhum conhecimento prático) atuando na área. Por isto, é preciso avaliar muito bem a qualidade do serviço prestado por clínicas e terapeutas holísticos. Isto não significa necessariamente que a aromaterapia não seja válida, mas que, sem controle nem fiscalização, a possibilidade de atuação de profissionais desqualificados é muito grande nestes tratamentos. Basta avaliar as credenciais dos terapeutas, pesquisar e não ser guiado apenas pela propaganda ou por amigos e colegas que “obtiveram resultados fantásticos”.

Terapias naturais

Como outras terapias naturais, a aromaterapia pode ser usada como complemento aos tratamentos naturais. Sejam graves, sejam passageiras, as doenças sempre provocam algum tipo de mal estar, que pode ser amenizado com a inalação de aromas agradáveis.

A aromaterapia parece ter também a capacidade de reduzir o estresse. Alguns óleos essenciais parecem propiciar a evocação de alguns momentos do passado, em que o paciente pode reconquistar seus próprios mecanismos para obter prazer e satisfação. Pelo mesmo motivo, o tratamento reduz a irritabilidade, ansiedade, depressão, distúrbios do apetite, problemas de concentração. Estudos com grupos de controle indicam que os resultados são positivos para 20% a 25% dos pacientes, logo na primeira aplicação.

O tratamento com aromas também é indicado para reações alérgicas crônicas, como a rinite. Para as mulheres, a aromaterapia apresenta um efeito extra: ela acelera a eliminação de xenoestrogênios (ou pseudoestrogênios, muito utilizados na indústria cosmética e farmacêutica), que estão relacionados à diminuição da libido feminina e com alguns tipos de câncer genital.

O funcionamento

Os óleos essenciais usados na aromaterapia são absorvidos pela inalação e pelos poros. Uma vez aplicados, são enviados para o sistema límbico, região do cérebro responsável pelas emoções e pelos comportamentos sociais, aprendizagem, memória, motivação, etc.

A distribuição destes componentes químicos ocorre com a circulação sanguínea – portanto, os estímulos são encaminhados para todo o corpo. De acordo com as queixas do paciente, levantadas em entrevista prévia com o terapeuta, podem ser usadas substâncias com ação localizada, para equilibrar, relaxar ou estimular certas sensações, como cansaço, dores, falta de apetite ou de desejo sexual, etc.

É preciso repetir, no entanto, que nada disto foi comprovado pela comunidade científica. Alguns ensaios apontando para os fatores benéficos podem estar associados a fatores psicossomáticos e não efetivamente às propriedades das plantas empregadas no tratamento.

Mesmo assim, instituições sérias, como o SENAC (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) oferecem o curso livre de aromaterapia, destinado a profissionais da área de bem-estar. O mercado de trabalho para aromaterapeutas tem aumentando ano a ano, tanto em função da melhoria da renda da população (a nova classe C, por exemplo, passou a consumir mais tratamentos estéticos e já responde por mais da metade das aquisições de cosméticos), como pela percepção da necessidade de buscar tratamentos naturais, menos agressivos.

ÚLTIMAS POSTAGENS

PUBLICAÇÕES RELACIONADAS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui