Cotidiano O microscópio e a revolução científica

O microscópio e a revolução científica

No útero materno, existe um coágulo sanguíneo sem vida. Assim ele permanece até entrar em contato com o sêmen. Quando esse encontro acontece, ocorre a concepção.

Parece incrível, mas esta era a explicação de Aristóteles, filósofo grego que viveu no século III a.C., que permaneceu praticamente inalterada até o início da Idade Moderna. A história começou a mudar no século XVII, quando o microscópio promoveu uma verdadeira revolução científica.

No século XVI, Galileo Galilei criou o telescópio, acoplando duas lentes convexas em um tubo e descobriu que o universo é muito maior do que se pensava.

No mesmo século, Francis e Zacharias Janssens (pai e filho) criaram o primeiro microscópio ótico, mas as imagens obtidas eram muito ruins. Acredita-se que o primeiro a fazer observações de material biológico tenha sido o holandês Antonie van Leeuwenhoek, que observou plantas, sangue, sêmen de animais. O holandês descobriu os micróbios (hoje chamados de micro-organismos). Mas a ciência caminhava a passos lentos: Leeuwenhoek imaginou que os espermatozoides seriam pequenos animais.

O uso prático do microscópio continuou. Em 1665, o inglês Robert Hooke aperfeiçoou o equipamento e encontrou o mundo das coisas infinitamente pequenas, que ninguém supunha existir. Hooke examinou um pedaço de cortiça e observou uma série de cavidades minúsculas, semelhantes a favos de mel, e chamou-as “células”.

Na verdade, Hooke, que pode ser considerado o primeiro microscopista da história, só pôde observar a estrutura que deveria ser preenchida pelas células, já mortas na amostra que analisou. Mas descobrir que os seres vivos são formados por células foi uma revolução. A medicina ainda se baseava na teoria de Hipócrates para diagnosticar e tentar curar doenças, o que quase nunca acontecia.

O médico grego do século V a.C., que acreditava nos quatro humores corporais – sangue, fleugma, bílis amarela e bílis negra; de acordo com as quantidades dos humores presentes no organismo, determinava-se a saúde, a doença e a dor, é considerado o pai da medicina.

Com a microscopia, os cientistas foram desvendando gradualmente os segredos das células. Hoje, existem microscópios eletrônicos, que são de dois tipos: de varredura e de transmissão. Um tipo específico de microscópio de varredura, por tunelamento, permitiu verificar a estrutura das moléculas que formam o DNA (ácido desoxirribonucleico), tarefa fundamental para o mapeamento genético. Este equipamento amplia as imagens em até 100 milhões de vezes.

ÚLTIMAS POSTAGENS

PUBLICAÇÕES RELACIONADAS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui