Os maiores conquistadores da história

A sede de poder humana não tem limites. Conheça os maiores conquistadores da história.

Dominar e submeter, tributar outros povos, dizimar para obter riquezas. Desde o surgimento do Homo sapiens, controlar o maior número de pessoas se tornou a melhor forma de sobreviver e prevalecer. Pela força ou por poderes sobrenaturais – e assim surgiu a religião –, os homens dominaram o mundo com seus poderes. Vamos conhecer a história de alguns deles, que se tornaram os maiores conquistadores da história.

Ciro, o Grande

Legenda: Ciro II da Pérsia e os Hebreus, iluminura de Jean Fouquet.

No século VI a.C., a Pérsia era um Estado tributário do Reino da Média, povo ariano que chegou ao planalto iraniano por volta de 1000 a.C. e dominou toda a região. Os medos não deixaram registros escritos e, por isto, só são conhecidos por informações de seus inimigos, os assírios, que os classificavam como bagunceiros e ladrões. Ciro era neto do rei medo Astíages, mas seu pai era persa.

Gosta de Curiosidades? Entretenimento? Vídeos legais? Clique para curtir o Blogadão

Ciro tomou a Pérsia, a Lídia (centro-oeste da Turquia), a Trácia (centro-sul da Bulgária) e os territórios a leste, até o Turquestão. Sua maior vitória, no entanto, foi ocupar o Império Babilônico, na Mesopotâmia, fato que ocorreu em 539 a.C. o rei permitiu que os judeus, cativos em Babilônia, retornassem à Palestina, e o pequeno Reino de Judá, local estratégico para as rotas comerciais dos egípcios, manteve a fidelidade ao rei. A queda de Babilônia garantiu também a gratidão dos fenícios, famosos pelos seus conhecimentos náuticos.

Para a época, Ciro destacou-se pela generosidade como tratava os generais derrotados. Em muitos casos, admitiu príncipes e guerreiros em cargos administrativos na nova província, sendo responsável pela adoção de um novo modo de governar: respeitar costumes e crenças dos povos submetidos.

Alexandre, o Grande

Legenda: Alexandre, o Grande, e seu tutor, Aristóteles.

O maior conquistador do mundo antigo, Alexandre nasceu em 336 a.C. e foi aluno do filósofo de Aristóteles e tornou-se rei aos 20 anos, com a morte de seu pai, Felipe II da Macedônia. Conseguiu unificar as cidades Estado gregas e partiu para suas campanhas bélicas. Marchou contra a Fenícia, Síria, Pérsia, Báctria (parte do atual Afeganistão), Palestina e Egito.

Alexandre nunca perdeu uma batalha, graças às inovações táticas que incorporou. O imperador levou a cultura helênica a todas as regiões conquistadas, mesmo permitindo que os povos submetidos mantivessem sua cultura. Morreu aos 32 anos, e seu império foi dividido entre seus generais.

Júlio César

Legenda: O príncipe gaulês Vercingetórix se rende a Júlio César.

O general romano conquistou as Gálias (atual França), numa campanha que durou cinco anos, e ampliou o território romano até o oceano Atlântico. Em meio a muitas questões políticas que sacudiam a República no século I a.C., foi questor, cônsul e membro do primeiro triunvirato que governou a cidade. Conquistou ainda parte da Germânia (Alemanha) e fez a primeira incursão para as ilhas romanas.

Muito popular entre o povo, César não conseguiu obter consenso entre os patrícios romanos. As intrigas palacianas e a desconfiança do Senado – que era oficialmente a instância máxima de poder – determinaram seu assassinato em 44 a.C. Mesmo assim, sua atuação foi fundamental para a implantação do Império Romano, cujos governantes adotaram o título de césares.

Átila, o huno

Legenda: Efígie de Átila, o flagelo de Deus.

Legenda: Efígie de Átila, o flagelo de Deus.

Os hunos eram uma tribo nômade da Ásia central formada por hábeis cavaleiros. Eles se movimentavam com grandes manadas, em busca de novos pastos. No século IV, provavelmente em função de mudanças climáticas, eles progressivamente de transferiram para a Europa oriental.

Átila foi o último rei dos hunos, e provavelmente o mais poderoso. Assumiu o poder em 434 e seu reino se estendia do mar Báltico ao rio Danúbio: toda a Europa central, até o mar Negro. Para os impérios romanos do Ocidente e Oriente, ele foi considerado “o flagelo de Deus”; chegou a sitiar Roma e Constantinopla. Em lendas escandinavas, no entanto, é descrito como um soberano grande e nobre. Morreu em 453 e não houve sucessores capazes de repetir sua trajetória de conquistas.

Gêngis Khan

Legenda: Gravura de Gêngis Khan.

Lendas ancestrais contavam sobre um lobo que surgiria para devorar toda a terra. Gêngis Khan, ainda jovem, matou o lobo e garantiu a paz, mas, mesmo assim, enfrentou a resistência da própria família para assumir o poder. O guerreiro nasceu em 1162, perto da fronteira entre a Mongólia e a Rússia.

Chineses e mongóis viviam em conflito, e por isto, a China ergueu a Grande Muralha, mas isto não impediu que Gêngis Khan invadisse o país. O líder expandiu seu território para o oeste e o sul e, mesmo depois de morto, seus sucessores atribuíam a ele as suas vitórias. Em toda a história, é o conquistador que anexou mais territórios, atingindo uma área de 20 milhões de quilômetros quadrados.

Tamerlão

Legenda: Estátua de Tamerlão.

Um dos últimos grandes conquistadores turco-mongóis nômades, Tamerlão nasceu de uma família de pastores, num período em que o poder não era herdado, mas conquistado pela espada. O império mongol havia se fragmentado com a morte de Gêngis Khan e os clãs viviam de maneira praticamente autônoma.

Agregou diversas tribos do centro e leste da Ásia. Nasceu no século XIV, no atual Uzbequistão e destacou-se como guerreiro e, ao mesmo tempo, amante das artes. Com seu poder bélico, erigiu o Império Timúrida, que incluía a Ásia central, Paquistão, Afeganistão, Cáucaso e boa parte da Mesopotâmia. Os timúridas não resistiram à morte de seu líder, em 1405.

Hernán Cortez

Legenda: Retrato de Hernán Cortez.

Na América pré-colombiana, os astecas dominavam o atual México e parte da América Central. Era um vasto império, notável pelo seu potencial bélico e por suas grandes lavouras de cacau. O navegante Cristóvão Colombo chegou a aportar neste território, mas a história só começou a mudar com a chegada do conquistador Hernán Cortez.

Os europeus haviam encontrado a pólvora, desenvolvida pelos chineses para a produção de fogos de artifício, e usaram o material para a fabricação de armas de fogo, o que trouxe uma grande vantagem militar. Cortez desembarcou na América com espingardas e arcabuzes, e os astecas não resistiram: o imperador Montezuma sucumbiu em 1519, a capital Tenotchtilan foi destruída e todos os seus moradores, dizimados. A Espanha começava a confirmar seu domínio sobre a América.

Francisco Pizarro

Legenda: Ilustração de Francisco Pizarro.

É o equivalente a Cortez para outro império americano: o inca. O reino, que se estendia da Colômbia até o norte do Chile, era tão poderoso que os primeiros mapas da região denominam a América do Sul como “Inca”. Pizarro realizou diversas viagens para a região, até que conseguiu, em 1532, invadir a capital, Cuzco, e eliminar o poder central do império.

Foram necessárias muitas negociações para que Pizarro conseguisse organizar uma nova expedição. Na primeira viagem da Espanha para a América, em 1524, o conquistador não obteve nenhum ganho material. O contrato com a Coroa espanhola já previa a conquista do Peru, território ainda desconhecido, mas no qual a imaginação europeia acreditava ser rico em ouro e prata.

Napoleão Bonaparte

Legenda: Napoleão I, por François Gérard.

Nascido na Córsega (então parte do território francês) em 1769, Napoleão ganhou destaque na Primeira República. Oficial de artilharia, participou da campanha do Oriente, quando chegou a ocupar o Egito. Foi cônsul e autoproclamou-se imperador da França.

Napoleão ocupou Espanha, Portugal (obrigando a família real a se transferir para o Brasil, em 1808), norte da Itália, Prússia e Áustria. Seu grande erro foi prosseguir seus planos de expansão em direção à Rússia: em 1812, o “general inverno” – o frio rigoroso da região – derrotou o general. Com a decadência, o imperador foi exilado para a ilha de Elba, no mar Mediterrâneo. Conseguiu escapar e voltou por poucos meses ao poder, mas foi derrotado pelos ingleses – seus maiores inimigos – na batalha de Trafalgar. Novamente exilado, morreu na ilha de Santa Helena, na costa da África, em 1815.

Adolf Hitler

Legenda: Adolf Hitler, o führer da Alemanha.

O último dos grandes conquistadores da história, Hitler nasceu na Áustria, em 1889. Foi líder do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães – o Partido Nazista – a partir de 1924 – e, em 1932, assumiu o comando do governo alemão. Num breve período em que esteve preso, em 1923, após uma tentativa de golpe de Estado, Hitler escreveu “Minha Luta”, em que são visíveis suas teses racistas, contra judeus, eslavos, poloneses, testemunhas de Jeová, ciganos, deficientes físicos e mentais.

Alegando a necessidade de “espaço vital”, Hitler deu início à Segunda Guerra Mundial ao invadir a Polônia, em setembro de 1939. Antes disto, havia anexado a Áustria, sob o silêncio dos demais europeus. Em 1940, o ditador ocupou a França, estabelecendo um governo de fachada no país.

Hitler, no entanto, envolveu-se numa guerra com múltiplas frentes: Inglaterra (e posteriormente EUA) a oeste, União Soviética a leste. Seu exército não resistiu: em 1945, com o avanço das tropas russas sobre Berlim, a Alemanha se rendeu e o governante se suicidou no seu bunker.

Siga-nos no Facebook
Receba atualizações do Blogadão no seu email,
ganhe brindes e participe de promoções!
É gratuito!

Comente no Facebook

Comente

Receba atualizações no seu email.
Participe de Promoções.