Transtorno explosivo intermitente – o “pavio curto”

O transtorno explosivo intermitente é um problema mental mais comum do que se pensa.

O transtorno explosivo intermitente, popularmente chamado de “pavio curto”, é um distúrbio psiquiátrico em que a pessoa, em momentos de raiva, não consegue controlar seus instintos: xinga, grita, destrói objetos e chega a agredir outras pessoas, em alguns casos não diretamente envolvidas com a situação que desencadeou a ira. É o caso, por exemplo, de um motorista que se envolve num acidente de trânsito e ataca o policial que veio verificar a situação.

Neste transtorno, o paciente pode estar bem, passeando com a família, brincando e rindo, mas basta uma situação que o contrarie para que o “gatilho” seja disparado: pode ser uma piada, uma observação pessoal, ou, no trânsito, um carro que dá uma “fechada” ou faz uma ultrapassagem irregular.

É comum ver motoristas com transtorno explosivo intermitente perseguindo o incauto que, na avaliação do doente, o prejudicou gravemente. Outros perdem o ônibus ou o elevador e descarregam a raiva onde puderem: bancos, postes, cestos de lixo. A reação é sempre desproporcional ao fato ocorrido.

Muitas pessoas desconhecem que o “pavio curto” seja uma doença. Acreditam que nasceram desse jeito e passam a vida toda sofrendo, com a autoestima em baixa, sem saber que há tratamento para o mal e os resultados obtidos são muito positivos e relativamente rápidos.

Os portadores do transtorno explosivo intermitente, depois dos acessos de raiva, percebem que exageraram e sentem vergonha, remorso e culpa. O distúrbio não está relacionado ao consumo de álcool e drogas e os pacientes raramente se envolvem em problemas sérios com a justiça. Em geral, existem casos de parentes sofrendo da mesma doença.

O diagnóstico de transtorno explosivo interminente

Antes de estabelecer o diagnóstico de transtorno explosivo intermitente, é preciso descartar outros transtornos: personalidade antissocial (desprezo pelas normas de conduta social e pelos sentimentos e direitos dos outros), personalidade limítrofe (desregulação emocional, raciocínio extremista e relações instáveis), de conduta (manifestações constantes de crueldade e tirania), de déficit de atenção (ou hiperatividade, quando o paciente inicia várias atividades ao mesmo tempo e não consegue se organizar para terminá-las) e bipolar (alternação de momentos de tristeza e de euforia), além de possíveis psicoses.

Em muitos casos, os pacientes conviveram em lares instáveis na infância e adolescência, onde agressões verbais e físicas eram comuns. Assim, não aprenderam a dar respostas positivas em situações de risco, desmotivação, desânimo, frustração e mesmo de contrariedade de interesses imediatos.

O tratamento do transtorno explosivo intermitente

Normalmente, os pacientes que têm transtorno explosivo intermitente reagem bem à psicoterapia, onde aprendem técnicas para responder adequadamente a situações de estresse e situações de conflito. A terapêutica da ênfase ao autoconhecimento e à identificação das próprias emoções, para que o paciente aprenda a expressar-se de forma positiva.

Vale lembrar que a raiva não é um mal em si: apenas o descontrole é que acarreta situações desagradáveis e, em alguns casos, perigosas.

O tratamento é necessário porque a maioria dos pacientes não tratados tende a afastar amigos e familiares, além de não conseguir manter relações amorosas estáveis e, quando as mantém, cria um clima de medo e discórdia no relacionamento.

Pode ser necessário o envolvimento da família, que deve aprender a reforçar as atitudes que representam pequenas conquistas de autocontrole do dia a dia.

Casos mais graves podem precisar de apoio medicamentoso, com drogas antidepressivas ou para estabilizar o humor. Pessoas que se isolam (chegam a abandonar o trabalho, os estudos ou os amigos), deixam de dirigir, recorrem ao álcool ou às drogas, em função do “pavio curto” ou apresentam quadros de depressão.

Receba atualizações do Blogadão no seu email,
ganhe brindes e participe de promoções!
É gratuito!

Comente no Facebook

2 Comentários

Comente

Quer ser avisado(a) de novas publicações?
CURTA NOSSA PÁGINA para não perder os próximos 😉