Cotidiano Saúde Mau hálito: como evitar

Mau hálito: como evitar

É um problema bastante comum. 50% da população adulta, no mundo, sofre com a halitose, o nome técnico do mau hálito (no Brasil, o percentual deve ser maior, em função das más condições de saúde bucal da população). Um fato curioso é que a grande maioria não percebe o mau odor e quase sempre precisam de um amigo para avisar: “Ei, você está com mau hálito”, já que a maioria dos colegas (e mesmo alguns amigos e parentes) se limita a fazer piadas pelas costas sobre o “bafo de onça”.

Um lembrete para os amigos: nunca tratem desta questão em público (ou, ao menos, quando outra pessoa pode escutar a conversa). Levem a pessoa em questão para um ambiente isolado e falem francamente. Isto pode não funcionar com algumas pessoas muito suscetíveis:

neste caso, o processo precisa ser indireto: oferecer chicletes e balas, dizer que balas de canela são excelentes para eliminar o mau hálito, etc. Ninguém quer perder uma amizade, apenas torná-la mais agradável.

Esta incapacidade de percepção ocorre porque o cérebro se familiariza com o mau hálito. Maus odores são sinais de “algo errado nas vizinhanças” e a evolução nos fez prestar muita atenção para eles. O hálito, entretanto, é algo muito pessoal. Como o odor está sempre (ou quase sempre) presente, o cérebro deixa de emitir alarmes.

O mau hálito não é apenas um inconveniente nas rodinhas de amigos. De acordo com a intensidade, o problema pode prejudicar a vida amorosa e até comprometer um bom profissional em uma entrevista de emprego. Felizmente, algumas mudanças na rotina e nas higienizações bucais quase sempre acabam com a halitose.

Em muitos casos, o mau hálito é decorrente das más condições de higiene bucal: escovação deficiente e não uso do enxaguante e do fio dental. A negligência (ou a falta de acesso) no tratamento odontológico regular também causa a halitose. Más condições de saúde (em especial problemas do sistema digestório), alguns alimentos (como o atum e os tacos) e condimentos com que são preparados (alho, cebola, etc.) acentuam o problema.

O tabagismo e o consumo de bebidas alcoólicas também provocam mau hálito. Quando estes hábitos se tornam crônicos, o odor se torna ainda pior. Outro problema é “pular” refeições, especialmente o café da manhã: a fome está presente, o organismo se prepara para digeri-lo e os sucos da digestão começam a demonstrar “que estão por lá”.

Em muitos casos, a própria reação da saliva a certos alimentos considerados neutros é a origem do mau hálito. A maioria das bactérias que provocam mau hálito coloniza a boca, bochechas, gengivas e língua. São os chamados compostos sulfurados voláteis. A “residência preferencial” destes microrganismos é a parte posterior da boca – a mais próxima dos interlocutores.

Outras causas do mau hálito

As cáries e a formação de tártaro, o uso de próteses móveis (dentaduras e pontes), problemas na boca, garganta e nariz (infecções nos seios paranasais e maxilares, tonsilites, etc.) e enfermidades sistêmicas, como o diabetes, infecções pulmonares, insuficiência renal ou hepática e outras disfunções podem também responder pelo mau hálito.

A condição quase sempre é neutralizada com o uso de creme dental antibacteriano com flúor, fio dental, enxaguante bucal e escovador de língua. A escova de dentes deve ser trocada a cada três meses, ou sempre que as cerdas apresentarem desgaste.
Caso o mau hálito seja determinado por problemas internos, apenas um médico poderá identificar a origem.

O autodiagnóstico do mau hálito

Nem sempre é necessário esperar o toque de um amigo. É possível atentar para alguns detalhes, a começar pela língua. De acordo com dentistas, uma língua saudável é rosada e brilhante. A aparência esbranquiçada e escamosa indica a presença do companheiro indesejado, o mau hálito.

Tentar cheirar o próprio hálito com a mão em concha não tem nenhum efeito prático. Se uma pessoa a 30 centímetros de distância consegue senti-lo, é porque ele forma um jato à frente da nossa boca e mesmo assim não o sentimos. Uma dica é lamber as costas da mão, deixar secar por alguns segundos e então sentir o cheiro. Mas esta técnica não funciona sempre.

O mau hálito não está relacionado à má higienização dentária, mas da boca. As bactérias, conforme já foi dito, se concentram na língua (que se move de acordo com a emissão de nossas palavras; transforma-se em um “chicote” lançando substâncias sulfurosas para todos os lados).

Corrigindo o problema

Além da escovação da língua, é necessário mantê-la hidratada, bebendo muita água durante o dia. Com a boca ressecada, as colônias se multiplicam, já que elas são anaeróbias e não suportam oxigênio, elemento que compõe a água. Mascar chicletes também garante a umidade da boca, mas é preciso escolher marcas se açúcar, para que não ocorram problemas ainda mais graves.

O mau hálito é uma condição pessoal. Enquanto algumas pessoas exalam odores terríveis depois de comer um prato temperado com cebola, com outras o problema é o curry ou os peixes. Bebidas ácidas, como cerveja, refrigerantes e café, também potencializam o problema.

Doces e chocolates também são um perigo, pois o açúcar facilita a reprodução das bactérias.

Mas, se existe o que atrapalha, também existe o que ajuda. O chá verde é um poderoso antibactericida, excelente para neutralizar os odores. O mesmo ocorre com a canela, que é rica em diversos óleos essenciais que matam parte das bactérias orais.

Algumas frutas e legumes (maçã, batata frita, aipo, etc.) apresentam dois benefícios: a textura firme ajuda a afastar as bactérias e a mastigação mais prolongada mata os microrganismos. Frutas ricas em vitamina C (laranja, limão, tangerina, etc.) eliminam rapidamente estes germes.

Se o problema não estiver na boca, ele pode indicar um problema mais sério. Isto acontece em apenas 5% dos casos, de acordo com os especialistas, mas é um ótimo indicativo para consultar um médico. Mesmo com o diagnóstico de uma doença sistêmica, o tratamento e os resultados sempre são mais rápidos e concretos no início da enfermidade.

ÚLTIMAS POSTAGENS

Artigo anteriorO prepúcio de Jesus
Próximo artigoComo surgem as pintas?

PUBLICAÇÕES RELACIONADAS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui