Islândia: gêiseres e lagos sulfurosos no meio da neve

Terra de contrastes, a Islândia é uma boa opção para quem quer encontrar novas paisagens.

A Islândia (terra de neve) é um país insular europeu, situado no Atlântico norte. Tem pouco mais de 300 mil habitantes, dos terços deles vivendo em na região metropolitana de Reiquiavique, a capital. As principais cidades são litorâneas. O país está situado no topo da cordilheira submarina dorsal mesoatlântica, o que torna as atividades vulcânicas e geológicas da região muito intensas.

O interior da Islândia é um deserto formado principalmente por um planalto com campos de areia, montanhas e geleiras, que formam rios glaciais. O país está na rota da corrente marítima do Golfo, que aquece as águas ao redor da ilha e torna a costa habitável.

O povoamento da Islândia teve início no século IX, quando um líder norueguês tornou-se o primeiro habitante da ilha. Nos séculos seguintes, colonos nórdicos e celtas se assentaram na região.

Até cerca de cem anos atrás, a Islândia dependia economicamente da agricultura e principalmente da pesca. Sucessivamente, foi colônia da Noruega e da Dinamarca.

Tornou-se independente em 1918. Graças a uma forte rede de seguridade social, a população da Islândia pôde se fortalecer e o país apresentou um dos maiores PIB per capita do mundo, até que sua economia sofreu os golpes da atual crise europeia. Em 2008, o sistema monetário da Islândia foi paralisado. Mas o país já dá sinais de que é forte candidato a deixar a crise para trás.

A costa islandesa é formada por fiordes e o país criou quatro grandes parques nacionais, todos eles com nomes impronunciáveis (um deles é o Þingvellir).

O terreno da ilha, muito recente em termos geológicos, tem muitos vulcões ativos, como o Hekla, o Eldgjá e o Eldfel. Em 2011, a erupção de um deles espalhou muita fumaça por toda a Europa e vários aeroportos ficaram fechados por dias. Os gêiseres – violentas erupções de água quente – são comuns. A palavra deriva do islandês geysir. Uma das ilhas mais recentes do mundo, formada nos anos 1960, pertence a esta república.

Os turistas devem esperar o verão setentrional (janeiro a março) para visitar a Islândia. Os passeios incluem visitas à cascata de Gulfoss, glaciais, lagos sulfurosos, gêiseres e vulcões. Próximo à capital, situa-se a aldeia de Seyðisfjörður, conhecida pela vida noturna. A Islândia apresenta um dos maiores consumos per capita de álcool: cerca de 43% dos homens já sofreram intoxicações agudas pelo consumo excessivo.

A vida natural é pobre. A Islândia só tem um animal nativo: a raposa-do-ártico, que chegou à ilha caminhando sobre o mar congelado, no final da última era do gelo (dez mil anos atrás). Do milhão de espécies conhecidas de insetos, apenas 1.300 conseguem viver na “terra do gelo”.

Receba atualizações do Blogadão no seu email,
ganhe brindes e participe de promoções!
É gratuito!

Comente no Facebook

Comente

Quer ser avisado(a) de novas publicações?
CURTA NOSSA PÁGINA para não perder os próximos 😉