Cotidiano Bebidas A história e os poderes da vodca

A história e os poderes da vodca

Ela nasceu na Europa Oriental, provavelmente entre os séculos XI e XIV, quase certamente na Rússia, mas países como Japão, China e Polônia também reclamam a paternidade da vodca. A bebida é obtida a partir da destilação do arroz nos países do Extremo Oriente. As bebidas mais comuns no Ocidente são destilados de batatas, figos, ervas e cereais como cevada, milho, trigo e centeio. Como se vê, o nome é utilizado para bebidas bastante diferentes.

Supõe-se que o nome da bebida, que pode ser traduzido também como “aguinha”, esteja relacionado à importância que os russos atribuem a seus rios e lagos cristalinos, que precisam ser bem cuidados durante o verão, já que muitos ficam congelados nos meses frios. A origem pode ser a mesma de “aquavita”, bebida bastante consumida nos países escandinavos.

A vodca surgiu em função da necessidade de ingestão de uma bebida fortemente alcoólica, especialmente durante o inverno (mas os russos a consomem durante o ano todo). Na Antiguidade e início da Idade Média, outra bebida fazia sucesso entre os europeus: o hidromel. Com a extração abusiva da matéria prima – o mel – os povos do norte encontraram a solução na destilação de cereais, já utilizados na produção da cerveja, bem mais leve.

A bebida, no entanto, só se popularizou entre as camadas mais pobres da população em 1533, quando Ivã IV (ou Ivã, o Terrível, primeiro czar da Rússia – o termo é derivado do “césar” romano) inaugurou a primeira taverna real, em Moscou, para distribuição de vodca aos habitantes de Moscou.

Rapidamente, a vodca pode ter sido adotada por países vizinhos da Rússia, como a Polônia e a Finlândia. Na década de 1970, no entanto, a União Soviética quase perdeu o direito de usar o termo “vodca” em seus produtos: um decreto russo de 1923 garantia o emprego da palavra, mas havia leis de outros países mais antigas sobre o assunto – portanto, estas nações detinham direitos comerciais e tinham precedência para a utilização do termo. Esta é apenas uma das polêmicas que envolvem a história da vodca.

O decreto de 1923, no entanto, apenas permitia novamente a fabricação da bebida, proibida formalmente em 1914 – no início da Primeira Guerra Mundial –, por Nicolau II, o último czar da Rússia (juntamente com qualquer tipo de bebida alcoólica); o veto foi tomado inicialmente depois da Revolução Russa, já sob o comando de Joseph Stálin. A lei seca do czar antecipou os resultados da mesma iniciativa tomada pelos EUA em 1919: produção clandestina, corrupção, extorsão e aumento da inflação.

A vodca do imperador

A família russa Smirnoff detinha o privilégio de fornecer vodca para o czar, sua família, generais e a corte russa. Em 1894, os soberanos passaram a deter o monopólio da produção. Mesmo assim, a vodca continuou a ser distribuída em cotas diárias para os pobres, soldados e até mesmo para os professores das poucas escolas já instaladas no país.

Nesta época, a receita da bebida era um segredo de polichinelo, já que a proporção de álcool e água para a produção havia sido definida pelo químico Dmitri Mendeleiv, o mesmo que organizou os elementos químicos na primeira tabela periódica, no final do século XIX, época em que as descobertas científicas já eram compartilhadas e debatidas pela comunidade acadêmica de muitos países da Europa.

A proporção ficou assim definida: investigando o volume e a densidade ideais para o destilado: 60% de água e 40% de álcool, uma regra seguida à risca pelas indústrias de bebidas europeias até hoje: boa parte continua usando esta regra, que confere a cremosidade ideal para a vodca.

Em 1917, no entanto, a Rússia viveu duas revoluções: em fevereiro, a Revolução Branca derrubou a casa real e instaurou um governo provisório. Alguns meses depois, em outubro, os bolcheviques depuseram o governo social-democrata e começaram a implantar o regime comunista.

Boa parte da nobreza, representantes do clero ortodoxo russo, intelectuais, cientistas, artistas e foram perseguidos; muitos fugiram do país e a receita da vodca definitivamente se espalhou pela Europa e, daí, pelo mundo. a família Smirnoff radicou-se na Inglaterra, onde fundou uma indústria de bebidas conhecida internacionalmente.

A vodca e as guerras

Uma história bastante conhecida – mas sem comprovação história – diz respeito à derrota do exército francês pelo “General Inverno”. Em 1812, as tropas deram início ao cerca da capital russa, mas o frio era congelante (por um erro de estratégia, os generais da França decidiram-se por um ataque à cidade em pleno estepe da Rússia).

O comandante e historiador francês Phillippe de Ségur, que participou do enfrentamento bélico, narra, em seu livro “História de Napoleão e da Grande Armada”, que os soldados de Napoleão estavam adoecendo e morrendo pelo abuso no consumo da vodca. Enfraquecidos pelo frio, a fome e o cansaço, os militares acreditavam que a bebida podia restaurar as suas energias, mas o calor intensivo provocado pela ingestão da bebida apenas apressava as muitas baixas.

Napoleão foi derrotado, teve de recuar e aí começou o seu declínio. Mas, na bagagem, mesmo com a derrota (que o imperador considerava vergonhosa e inaceitável), os soldados levaram na bagagem a receita da vodca. Na França, a bebida é fabricada principalmente com a adição de conhaque e de algumas variedades de trigo.

Durante a Segunda Guerra Mundial, a vodca também teve participação decisiva. No inverno de 1943, os soviéticos decidiram retomar Stalingrado (atual Volvogrado), ocupada pelos alemães dois anos antes, durante a Operação Barbarossa (o objetivo da campanha, lançada apenas dois anos depois da assinatura de um pacto de não agressão entre os dois países, era tomar toda a parte europeia da União Soviética, até os montes Urais e o mar de Aral).

Os alemães não conseguiram o objetivo, mas ocuparam regiões importantes. Neste ano da retomada dos ataques, os generais russos informaram a Stálin que não havia anticongelantes suficientes para impedir que a água dos radiadores de jipes e tanques se congelasse e, por isto, decidiram passar a empregar a vodca (já usada como antisséptico para a limpeza de armas e feridas), uma bebida extremamente quente, com teor alcoólico de até 60% (fora do padrão oficial, mas facilmente encontrável, inclusive em depósitos de bebidas brasileiros).

Para suprir a demanda dos carros de guerra, o ditador russo decidiu cancelar a distribuição diária da bebida (até então fixada em 100 mililitros por dia, quantidade equivalente a quase 10% da ingestão de calorias recomendadas para um adulto de 1,70m), mas criou uma “promoção”: para os soldados de pouco destaque na frente de batalha, a vodca era distribuída apenas em nove dias festivos por ano. Os militares mais valorosos, no entanto, recebiam 200 mililitros diários. A estratégia serviu como motivação: O Exército Vermelho avançou rapidamente e, em maio de 1945, os russos expulsaram os nazistas do seu território.

ÚLTIMAS POSTAGENS

PUBLICAÇÕES RELACIONADAS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui