Os tipos de parto

Com o transcorrer da gravidez, surge a dúvida: que tipo de parto escolher?

Existem diversos tipos de parto e nenhum deles é a priori melhor do que os outros. Tudo depende da expectativa do casal, do preparo psicológico da mãe, das condições de saúde da mulher e do feto e eventualmente de algumas pressões da família e do grupo social.

A melhor decisão é aquela obtida com o acompanhamento pré-natal, que deve ser realizado desde o momento em que a gravidez é diagnosticada. Conhecendo as condições físicas da mãe e do bebê, o médico poderá orientar a nova família sobre os tipos de parto e a melhor escolha para cada situação. A mulher precisa se sentir segura e amparada pelo ginecologista e o companheiro.

Gosta de Curiosidades? Entretenimento? Vídeos legais? Clique para curtir o Blogadão

Tipo de Parto: A cesariana

Muitas mulheres se assustam com as “dores da gravidez” (elas existem de fato) e decidem fazer uma cesariana. É preciso lembrar, entretanto, que o parto cesáreo é uma cirurgia e, portanto, envolve riscos. Ele só deve ser realizado se houver sinais clínicos de sua necessidade: desproporção entre o tamanho do feto e a pélvis da mãe, pré-eclâmpsia ou eclâmpsia, herpes genital ativo e posição inadequada do bebê (às vezes, ele fica sentado ou “de rosto”).

Para gestantes diabéticas e também quando o trabalho de parto não evolui, a cesariana também é indicada. Se algum destes fatos acontece, a paciente é levada a um centro cirúrgico, onde a assepsia é mais rigorosa, já que se trata de uma cirurgia de grande porte e o risco de infecções é maior.

A mãe recebe anestesia peridural (em alguns casos, é indicada a anestesia geral) e é colocada uma tela em seu peito, para maior assepsia, mas isto impede que a mulher acompanhe diretamente o parto (alguns hospitais oferecem monitores para permitir a visualização do nascimento).

Para a operação, é feita uma série de incisões transversais de dez centímetros cada, acima da linha do púbis. São abertos os tecidos epitelial, conjuntivo, adiposo, os músculos abdominais, o peritônio e, por fim, o útero. Em seguida, bebê e placenta são retirados e os cortes, suturados.

Apesar de não sentir nenhuma dor durante a cirurgia, a recuperação é bastante lenta. Cessado o efeito da cirurgia, a mãe sente dores nas atividades mais corriqueiras, como rir, comer, sentar-se ou ficar de pé. O desconforto aumenta com o rearranjo hormonal: a mulher deixa a fase “gerar um bebê” para a fase “nutrir um bebê”.

O parto normal

Se a gravidez tiver ocorrido conforme o previsto, é o mais indicado. A recuperação é rápida e os riscos de infecções, hematomas e dores pélvicas crônicas é muito menor. Vovós e bisavós podem relatar as dores terríveis e os desconfortos que sofreram, mas hoje isto é amenizado com diversas técnicas, como a aplicação de anestesia peridural. A raspagem dos pelos púbicos e o enema (lavagem intestinal) não são mais rotineiros atualmente.

O médico avalia as condições do colo do útero durante as contrações. Nesta etapa, a mulher pode ser novamente anestesiada, em caso de dores muito fortes. Com o colo totalmente dilatado, as paredes do útero fazem pressão sobre o feto e, com ajuda de movimentos maternos, ocorre o nascimento.

O uso de anestésicos durante o parto é chamado “parto sem dor”. Estudos indicam que a presença e o cuidado do pai na sala também suavizam as dores. Nos EUA, são utilizadas técnicas de relaxamento e concentração, para que a mãe se sinta mais segura, já que uma mulher assustada experimenta mais sofrimento.

Se houver necessidade, são feitos cortes cirúrgicos nos músculos da região perineal. Com a saída do bebê, o alívio é praticamente imediato: apenas mais uma contração, para expulsar a placenta. A sutura dos eventuais cortes, quando há necessidade deste procedimento, é rápida e cicatriza em poucos dias.

A indução é um tipo de parto normal, indicada quando a gravidez ultrapassa 40 semanas (o que pode significar sofrimento e problemas de saúde para o feto), quando há incompatibilidade do fator Rh entre mãe e filho e em casos de rompimento precoce da bolsa d’água. O parto pode ser induzido com o simples rompimento da bolsa, ou com medicamentos para estimular as contrações.

Às vezes, mesmo com o acompanhamento pré-natal, a criança decide mudar de posição na última hora. Ela pode girar a cabeça e provocar sofrimento para si próprio e para a mãe. Por isto, pode ser realizado o parto fórceps, um instrumento introduzido no canal vaginal para ajustar o bebê. O procedimento é realizado no final do parto.

Atualmente, os médicos oferecem outras opções para as mães e seus bebês. No parto natural, o médico só acompanha o parto e intervém apenas no caso do surgimento de algum problema. A mãe não recebe anestesia, nem medicamentos para acelerar as contrações. O tempo é definido pelo ritmo dos protagonistas da cena.

O parto de cócoras segue as mesmas indicações do parto natural. A diferença está na posição da mulher, que fica de cócoras, com o apoio do parceiro. É um parto mais rápido, já que a força da gravidade acelera o processo. Como o bebê é menos pressionado, ele não sofre a compressão de vasos sanguíneos importantes. É indicado para mulheres que tiveram uma gravidez saudável e quando bebê está bem encaixado (com a cabeça para baixo).

O parto na água também é semelhante ao parto natural, mas acontece – obviamente – com a mãe numa banheira de água morna, com os genitais totalmente imersos. A pressão da água facilita e suaviza as contrações e o bebê nasce num meio quente e líquido, parecido com o que experimentou no útero. Mas o procedimento não é indicado em casos de presença de mecônio (as primeiras fezes do bebê, que pode aspirá-las), nos sangramentos excessivos, nos partos prematuros, quando a mãe é diabética, portadora de HIV ou do vírus da hepatite B, quando o herpes genital está ativo e também quando o bebê é muito grande (mais de quatro quilos).

O parto humanizado

Atualmente, no Brasil, vem sendo incentivado o parto humanizado. Não se trata de uma nova técnica médica, mas do reconhecimento das necessidades da mãe e do bebê.

Por exemplo, a mulher pode decidir por ter o bebê em casa ou numa casa de parto, sem a correria dos hospitais – alguns deles, inclusive, recorrem a cesarianas ou a induções simplesmente para ganhar tempo, liberar leitos, etc. No Brasil, do total de partos, 52% são cesáreos, o que parece indicar um sério problema de saúde, já que a Organização Mundial da Saúde sugere que este total não ultrapasse os 15%. Parece que muitos destes procedimentos se baseiam no lucro, e não na saúde e bem estar da mulher e da criança.

A mulher escolhe o tipo de parto que ela quer (inclusive cesariana e anestesia) e as pessoas que deseja ter ao lado no nascimento da criança. Em geral, porém, é adotado o parto de cócoras e o bebê é mantido junto à mãe logo após o nascimento. Os procedimentos de limpeza são realizados posteriormente. Isto facilita a produção do colostro (o primeiro leite materno) e estimula a amamentação.

Siga-nos no Facebook
Receba atualizações do Blogadão no seu email,
ganhe brindes e participe de promoções!
É gratuito!

Comente no Facebook

Comente

Receba atualizações no seu email.
Participe de Promoções.