Cotidiano Cultura Vale-cultura: o que é? Quem pode receber?

Vale-cultura: o que é? Quem pode receber?

A atual ministra da Cultura do governo Dilma Rousseff, Marta Suplicy, anunciou recentemente que os trabalhadores brasileiros poderão receber um benefício chamado de Vale Cultura. O objetivo desse beneficio é que os trabalhadores recebam mensalmente uma quantia que poderá ser gasta com atividades e produtos culturais, como livros, revistas, jornais, CDs, DVDs, ingresso para shows, peças de teatro, cinema, amostras artísticas, museus etc. Assim, o governo prevê um crescimento no consumo de cultura no país e um desenvolvimento intelectual dos trabalhadores.

O Vale Cultura é um benefício como o vale-transporte ou o vale-refeição. O trabalhador beneficiado irá receber um cartão magnético que será recarregado mensalmente com o valor de R$50,00. A quantia não precisa necessariamente ser toda gasta no mês, o trabalhador pode optar por ir juntando dinheiro no cartão e deixar para comprar um produto mais caro ou fazer uma compra grande de uma vez só. O cartão não será aceito para compras que não sejam de produtos culturais, então não adianta juntar pensando em gastar tudo com compras no mercado, por exemplo. O Vale Cultura será aceito, por exemplo, em livrarias, bilheterias de teatros, museus e cinemas, para fazer assinatura de revistas e jornais e outras coisas desse tipo.

A quantia estipulada de R$50,00 por mês poderá ser recebida por pessoas que trabalham em regime de CLT, ou seja, com registro na carteira, e que ganham até 5 salários mínimos (ou seja, que recebam até R$ 3390,00 por mês). Receberão esse benefício os trabalhadores de empresas que aderirem ao programa. As empresas que oferecerem esse benefício a seus empregados terão isenção no Imposto de Renda de R$ 45,00 por vale oferecido; já para o trabalhador a isenção será no valor de R$ 5,00. Uma das primeiras empresas que garantiu que irá beneficiar seus trabalhadores com o vale foi os Correios.

O Vale causou uma certa polêmica quando a ministra Marta Suplicy afirmou que ele também poderá ser gasto com “revistas porcaria”. Por mais que a expectativa do governo seja de que os trabalhadores usem essa quantia com produtos construtivos, não há uma regulamentação censurando os produtos a serem comprados, portanto, o trabalhador fica livre para obter livros, revistas, DVDs e etc. de conteúdo não necessariamente “enriquecedor” ou cultural.

A intenção do governo com esse vale também é possibilitar que os trabalhadores que ganham pouco criem o hábito de consumir produtos culturais, já que, por receberem salários baixos, eles priorizam gastar com as necessidades mais básicas (alimentação, moradia e contas) e deixam de consumir cultura, muitos às vezes nem ao menos foram ao cinema ou a uma peça de teatro por não sobrar dinheiro para fazer isso.

Até aproximadamente o dia 26 de fevereiro o programa do Vale Cultura deve ser regulamentado e poderá ser posto em práticas, nos meses seguintes, pelas empresas que aderirem ao projeto.

ÚLTIMAS POSTAGENS

PUBLICAÇÕES RELACIONADAS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui