Cotidiano Elizabeth I, a rainha virgem

Elizabeth I, a rainha virgem

O período anterior à era elisabetana foi bastante conturbado. Filha de Henrique VIII, Elizabeth I nasceu princesa, mas quando tinha pouco mais de dois anos, sua mãe, Ana Bolena, foi executada e a bebê real foi declarada bastarda.

Com a morte de Henrique VIII, que rompeu com o Papado, ascendeu ao trono Eduardo VI, tendo por regente sua mãe, Jane Grey. O jovem Eduardo nunca governou de fato e morreu em 1553, aos 16 anos, deixando o trono em testamento para sua mãe e excluindo as meias-irmãs da linha de sucessão. Mas o testamento foi contestado, Jane Grey nem chegou a ser coroada e foi executada um ano depois da morte do filho.

Maria I ascendeu ao trono. Filha da princesa Catarina de Aragão e profundamente católica, tentou restaurar a Igreja no país. Maria reinou por cinco anos, em que matou centenas de líderes protestantes, o que lhe valeu o título de Maria Sanguinária. A mistura de vodka com suco de tomate (uma novidade trazida da América), sua bebida preferida, até hoje leva o nome de bloody Mary. Morreu em 1558 e novamente a coroa estava em disputa: havia chegado a vez de Elizabeth.

Ao ascender ao trono, a nova rainha decidiu reunir um grupo de intelectuais, liderado por William Cecil. Estes conselheiros foram fundamentais para o bom governo do período. Elizabeth I firmou um acordo com a Igreja Protestante, tornando-se sua chefe suprema, título que os reis ingleses ostentam até hoje. A partir de Elizabeth, pode-se falar da Igreja da Inglaterra, ou anglicana.

O período elisabetano, também chamado Era Dourada, foi um período de ascensão, que pode ser considerado o embrião do Império Britânico. A produção artística também foi valorizada e despontaram nomes como Christopher Marlowe e William Shakespeare. A navegação inglesa sofreu uma verdadeira revolução: no reinado de Elizabeth I, o capitão Francis Drake derrotou a Invencível Armada, frota espanhola que controlava a navegação no Atlântico. A Espanha dominava vastas regiões da América e toda a Flandres (Atuais Holanda e Bélgica). Com a derrota, holandeses e ingleses aventuraram-se pelo Novo Continente, mas as tentativas de colonização no período elisabetano foram quase todas frustradas. Mesmo assim, Virgínia, um Estado americano, homenageia Elizabeth I, cognominada a Rainha Virgem.

Não se sabe por que Elizabeth I nunca se casou, mas foram propostas muitas hipóteses: repulsa ao sexo, causada pela morte da mãe é a mais evocada, mas é possível que a rainha virgem tenha se traumatizado após violências sexuais de seu tutor, Tomás Seymour, durante a adolescência. Alguns historiadores falam de defeitos físicos e até de vergonha por marcas deixadas pela varíola. É certo que a rainha teve vários pretendentes.

Elizabeth I morreu em 1603, pouco antes de completar 70 anos, encerrando a dinastia Tudor. Seu sucessor foi Jaime VI da Escócia, coroado como Jaime I.

ÚLTIMAS POSTAGENS

PUBLICAÇÕES RELACIONADAS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui