Quem foi Napoleão Bonaparte?

Líder militar brilhante, Napoleão Bonaparte tornou imperador da França.

Napoleão Bonaparte nasceu em Ajácio, na Córsega em 1769 e morreu no exílio, na ilha de Santa Helena, em 1821. Foi um grande estrategista militar, durante os últimos anos da Revolução Francesa. Em 1804, autoproclamou-se imperador da França, posição que ocupou até 1814, tendo retornado ao trono por um curto período no ano seguinte. O Código Napoleônico, um dos primeiros códigos penais a serem efetivamente implantados no Ocidente. Napoleão introduziu o registro civil, a legalização da propriedade e vários ramos do Direito, como o processual e comercial. O Código Napoleônico influenciou a legislação de vários países europeus e americanos.

Gosta de Curiosidades? Entretenimento? Vídeos legais? Clique para curtir o Blogadão

A trajetória militar

Em 1784, Napoleão entrou na Escola Militar de Paris, onde se formou oficial de artilharia. O militar passou os primeiros anos da Revolução (deflagrada em 1789, com a Queda da Bastilha) na sua ilha natal, atuando contra monarquistas e nacionalistas corsos. Apoiou os jacobinos, revolucionários advindos das camadas mais pobres da população, contra os girondinos, facção formada por representantes da burguesia.

Em 1792, Napoleão voltou para a Córsega, onde se envolveu numa disputa com o líder local, Pasquale Paoli, que sabotou uma investida do então capitão contra a ilha italiana de La Madalena. Com a derrota, o comandante e suas tropas tiveram que se refugiar na França continental.

Em 1793, a cidade de Toulon revoltou-se contra os republicanos e foi ocupada por tropas inglesas, interessadas em combater a ameaça revolucionária. Napoleão, comandante das forças de artilharia, ocupou a cidade e obrigou os navios britânicos a se retirarem.

Napoleão casou-se com Josefina em 1796, e tornou-se comandante do exército nas campanhas bélicas na Itália, contra os austríacos, e no Egito, contra os ingleses. Na expedição ao norte da África, um de seus acompanhantes, o arqueólogo Jean François Champollion, decifrou as inscrições da Pedra de Roseta, fator importante para a decodificação dos hieroglifos egípcios.

Consulado e império

O general ganhou destaque na Primeira República Francesa, mas, em 1799, Napoleão liderou um golpe de Estado e instalou o Consulado francês, fazendo-se ser eleito como cônsul geral. Promulgou uma nova Constituição, saneou as contas públicas, organizou a administração, a polícia e a magistratura. Tomou medidas antiliberais, como o restabelecimento da escravidão nas colônias francesas, abolida com a Revolução Francesa. Em 1800, fundou o Banco da França.

No ano seguinte, Napoleão concluiu um acordo com o papa Pio VII, pelo qual a Igreja era restabelecida na França, apesar de submetida ao Estado. Também criou a Legião de Honra, para condecorar personalidades civis e militares de destaque. A comenda existe até hoje e, por lei, apenas 75 vivos podem recebê-la.

Com a paz e a prosperidade econômica asseguradas, bem como a derrota de alguns levantes monarquistas, Napoleão tornou-se popular no país, fato que lhe permitiu ser eleito, por plebiscito, como cônsul vitalício, em 1802 e dois anos depois, ascendeu ao trono. Coroou-se rei da Itália em 1805, divorciou-se de Josefina (1809) e casou-se com Maria Luísa, filha do imperador da Áustria.

Em guerra ininterrupta com os países vizinhos, enfrentou uma coalizão das principais potências europeias (liderada pela Inglaterra). Em 1812, depois de uma campanha desastrada contra a Rússia, em que foi derrotado pelo “General Inverno” – o frio intenso do inverno russo –, foi derrotado pelos adversários em Leipzig (atual Alemanha) e obrigado, em 1814, a abdicar. Napoleão foi exilado na ilha de Elba.

Poucos meses depois, fugiu do exílio e retomou o poder, num período conhecido como o Governo dos Cem Dias. Finalmente, em 18.6.1815, foi capturado pelos ingleses na Batalha de Waterloo (Bélgica), antes mesmo que o exército prussiano, em marcha para reforçar as tropas britânicas, chegasse ao campo de batalha. Desta vez, Napoleão foi confinado na ilha de Santa Helena.

Napoleão Bonaparte viveu vigiado na ilha nos últimos seis anos da sua vida. Morreu em 1821, oficialmente de câncer no estômago – a clássica posição com a mão sobre o abdômen parece indicar que ele sempre teve problemas gástricos –, mas há suspeitas de que ele tenha sido envenenado com arsênico.

Siga-nos no Facebook
Receba atualizações do Blogadão no seu email,
ganhe brindes e participe de promoções!
É gratuito!

Comente no Facebook

Comente

Receba atualizações no seu email.
Participe de Promoções.