Bons motivos para não beber refrigerantes

É um doce e perigoso vício: descubra bons motivos para não tomar refrigerantes.

Definitivamente, este texto não é sobre a péssima experiência de encontrar um rato morto dentro de uma lata – um “efeito colateral” da falta de higiene no transporte ou armazenamento. Existem bons motivos para não beber refrigerantes, substituí-los por água e sucos ou, ao menos, tornar o consumo menos frequente. A saúde agradece.

Gosta de Curiosidades? Entretenimento? Vídeos legais? Clique para curtir o Blogadão

Em primeiro lugar, refrigerantes são produtos industrializados e, para aumentar seu prazo de validade, é preciso adicionar conservantes, antioxidantes, umectantes, etc. Nenhum destes aditivos é potencialmente prejudicial, mas há casos de reações alérgicas e problemas gastrointestinais.

O sódio

Para realçar a cor e o sabor dos refrigerantes, entram em sua composição os corantes, aromatizantes e outras substâncias não saudáveis quando consumidas em excesso. O sódio, por exemplo, é fundamental para a saúde humana, mas o teor elevado causa problemas renais, retenção de líquidos e hipertensão arterial.

O sódio é fundamental para manter o equilíbrio aquoso do organismo, mas é preciso cuidado. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda o consumo de dois gramas diários do mineral por dia (os brasileiros consomem 4,7 gramas em uma dieta de duas mil calorias, mais do que o dobro preconizado).

Um copo de 200 mililitros de refrigerante pode conter até 2,8 miligramas de sódio (as bebidas light contêm um teor maior, para compensar a eliminação do açúcar). Este fato, combinado com o consumo de outros alimentos industrializados, como os embutidos, sopas prontas, congelados, etc., faz com que ultrapassemos em muito a ingestão indicada, prejudicando o equilíbrio orgânico e, no médio prazo, a qualidade de vida.

O açúcar

Em excesso, o consumo de açúcar impede a correta absorção do cálcio, nutriente fundamental para a formação e manutenção dos ossos. Com o tempo, isto pode levar à instalação de osteoporose, que enfraquece o esqueleto e aumenta o risco de fraturas e luxações.

Um estudo da Escola de Medicina da Tufts University (Massachusetts, EUA) determinou que o consumo por mulheres de apenas três copos de refrigerante chega a determinar uma perda de 4% de absorção óssea na região dos quadris.

Dentistas americanos apelidaram uma condição bucal com o nome de uma marca de refrigerante bastante comercializada no país, um sucesso entre as crianças. O problema é que o excesso de açúcar provoca muitas cáries e estes pequenos consumidores chegam aos consultórios odontológicos com os dentes em péssimas condições.

Light?

Sobrepeso e obesidade também resultam do excesso de açúcar, além de outros ingredientes dos refrigerantes e mesmo os produtos “zero” e “light” podem aumentar a circunferência abdominal e o depósito de gordura nos quadris – os famosos culotes. Diversas marcas adotam substitutos para o açúcar que fazem o organismo entender que a glicose está sendo metabolizando, determinando o aumento de peso, que não é apenas um problema estético.

Um aditivo dos refrigerantes classificados como “diet” é o ácido fosfórico, utilizado para realçar o sabor das bebidas. A substância também está presente em alguns alimentos integrais, como carnes, leite e nozes, mas seu excesso leva a problemas cardíacos e renais, além de causar perda de massa muscular.

Mas mesmo que o consumidor não ganhe peso, os refrigerantes com açúcar são prejudiciais à saúde cardiovascular, especialmente entre as mulheres, que são mais propensas a desenvolver altos níveis de triglicérides – a popular “gordura no sangue”, que tende a envolver os órgãos abdominais, levando, com o tempo, ao desenvolvimento de doenças coronarianas, hepáticas, acidentes vasculares cerebrais e diabetes do tipo II.

Mais problemas à vista

O caramelo usado nos refrigerantes de cola também é potencialmente perigoso. Ao menos duas substâncias químicas são cancerígenas. O consumo diário de 16 microgramas pode levar ao desenvolvimento de tumores (um copo de refrigerante “diet” de cola chega a ter 80 microgramas de metilimidazol, uma destas substâncias).

O óleo vegetal bromado (óleo de milho ou soja ao qual são acrescentados átomos de bromo) é um composto sintético que retarda a separação das fases dos refrigerantes (sabor, aroma, etc.). Entre outras funções, o óleo também é usado como retardador de chamas. O bromo, no entanto, é altamente tóxico: a alta concentração impede a fixação do iodo no organismo, levando a problemas de tireoide. O elemento químico também está relacionado à maior incidência de câncer de mama, útero, tireoide, próstata e ovários. O bromo também atua como depressor do sistema nervoso central e pode desencadear problemas psicológicos, como surtos de paranoia aguda. A toxicidade pode manifestar-se também por acne, arritmia cardíaca, fadiga, perda de apetite, dores abdominais, paladar metálico, manchas na pele e infertilidade (em homens e mulheres).

Nas latas de alumínio, o problema está em uma resina (bisfenol A), que impede a reação química entre os refrigerantes e os vasilhames. O problema é que a resina reage também com os hormônios humanos e está relacionada a alguns tipos de câncer, infertilidade e obesidade. Os fabricantes estão anunciando o uso de garrafas pet produzidas a partir de plantas (e, portanto, mais rapidamente degradadas no ambiente), mas não há estudos para eliminar o BPA.

Mais danos

Os refrigerantes também potencializam problemas cardíacos. O consumo diário de apenas um copo durante 20 anos aumenta em 20% os riscos de infarto do miocárdio em homens. Mas a substituição também deve ser feita com cuidado: a adoção de sucos com adição de açúcar, por exemplo, pode trazer outros problemas. O ideal é beber água e sucos integrais.

Outro motivo: os adoçantes artificiais dos refrigerantes “light” não são metabolizados totalmente pelo organismo; parte deles vai para os esgotos e dali para os cursos d’água. Uma pesquisa feita em 2009, na Suíça, colheu mostras de 19 lagos e rios e todas elas estavam contaminadas com acessulfame, sucralose, ciclamato e sacarina, substâncias usadas na produção das bebidas.

Siga-nos no Facebook
Receba atualizações do Blogadão no seu email,
ganhe brindes e participe de promoções!
É gratuito!

Comente no Facebook

01 Comentário

  • Não lir esse texto inteiro mais tenho certeza que o que está dizendo aí é verdade,sabe de uma coisa,todas essas comidas eles colocam substâncias assassinas para matarem as pessoas mais rápidas,eles pensam que todas as pessoas não sabem do perigo da má alimentação.

Comente

Receba atualizações no seu email.
Participe de Promoções.