forbrukslån depositum | forbrukslånhjelpen | billig forbrukslån med lav rente

A história da cerâmica

A história da cerâmica acompanha a do homem. Já foram encontrados artefatos que poderiam contar segredos milenares.

A palavra “cerâmica” vem do grego e significa ”argila”, mas os artigos mais antigos foram encontrados na República Checa e datam de 24500 a.C. “Bem mais novas”, algumas peças de cerâmica japonesas têm oito mil anos e as chinesas começaram a ser feitas mil anos depois. A história da cerâmica, portanto, se confunde com as das primeiras civilizações.

Quando nosso ancestral homem das cavernas necessitava de alimento, ele simplesmente saía para caçar ou coletar; quando sentia sede, dirigia-se a uma fonte ou aproveitava a água da chuva represada em uma pedra impermeável.

Gosta de Curiosidades? Entretenimento? Vídeos legais? Clique para curtir o Blogadão

historia-da-ceramica-2

Porém, o surgimento das primeiras aldeias, mesmo que ainda habitadas por povos nômades, fez surgir outras necessidades, como o armazenamento de mantimentos, já que o homem se distanciou dos locais de caça, começou a desenvolver a agricultura e a pecuária, etc. As primeiras cidades surgiram ao longo de grandes rios, mas sempre a uma distância segura, para evitar problemas com enchentes.

A argila, depois de seca, não retoma a sua maleabilidade, garantindo a durabilidade dos itens construídos com este material. Muitas técnicas de cerâmica empregadas ainda hoje remontam há milênios e cada forma de trabalhar o barro só se tornou possível em função das descobertas tecnológicas anteriores para a produção de utensílios.

Mesmo com o aprendizado do emprego dos metais, especialmente do cobre, ferro, bronze e suas ligas, as comunidades humanas continuaram utilizando a argila, especialmente para a produção de artefatos domésticos e para a construção civil. Assim, ela chegou aos dias de hoje.

Barro e fogo

Provavelmente, a cerâmica surgiu por acaso. Um de nossos avós derrubou barro acidentalmente sobre uma fogueira ou fogão rústico. Em pouco tempo, ele deve ter percebido que surgiu um material endurecido e resistente.

historia-da-ceramica-3

Começaram então a surgir as primeiras técnicas da cerâmica: o barro foi misturado com água (finalmente produzindo a argila) para facilitar o manuseio, e queimado para adquirir resistência. O material revelou-se excelente não apenas para produzir tigelas, pratos, copos e outros utensílios, mas também para revestir paredes, criar urnas funerárias e até placas para a escrita.

Os sumérios, primeiro povo que ocupou regularmente a Mesopotâmia (atual Iraque), provavelmente formaram o mais antigo império da história. Para leis, mitos, lendas, atos dos soberanos e até atos do cotidiano, eles produziam plaquinhas de argila, registravam os documentos em sua escrita cuneiforme (a palavra deriva de cunha, a “caneta” da época) e depois as secavam ao Sol.

A história

A capacidade de maleabilidade da argila, quando misturada com a quantidade adequada de água, e sua resistência e durabilidade depois de queimada provavelmente foi descoberta por diversos povos no decorrer da história, sem necessidade que a arte fosse transmitida (como ocorreu, por exemplo, com o emprego de metais).

historia-da-ceramica-1

Originalmente destinada à produção de tigelas e potes para o armazenamento e transporte de água e grãos, a plasticidade da cerâmica garantiu a criação de utensílios mais elaborados, com bocais e alças que facilitavam o manuseio. Em algum momento da História Antiga, o homem começou a desenhar relevos nas peças a fazer esculturas religiosas, com figuras humanas e de animais, possivelmente representando deuses.

No Egito, a cerâmica começou a ser produzida em 5000 a.C., mesma época em que os chineses encontram a arte. Muito tempo depois, em 240 a.C., a China produziu os famosos soldados de terracota, moldados para decorar o túmulo de Qin Shihuang, primeiro imperador do país, descoberto apenas em 1974. Até agora, já foram escavados mais de oito mil arqueiros, cavaleiros e oficiais, esculpidos em tamanho real. Terracota significa literalmente “terra assada”.

Ainda sobre o Egito: a arte de vidrar (dar aparência brilhante às peças) surgiu em 3500 a.C. Estatuetas, amuletos e colares de faianças (cerâmica branca) vidradas desta época já foram encontrados pelos arqueólogos. O mais antigo fragmento de cerâmica vidrada foi feito em policromia, o que revela a sofisticação da arte. A antiguidade traz o nome do rei Menés, que unificou os reinos do Alto e Baixo Egito no século IV a.C.

Mais tarde, no século V a.C., os persas e medas, ao invadirem a Mesopotâmia, deram continuidade à tradição de sumérios, caldeus, assírios e babilônios, obtendo peças com alto brilho e cores fortes, obtidas com a pintura a partir de óxidos metálicos, técnica empregada até a atualidade.

Gregos e romanos também contribuíram para o desenvolvimento da arte, mas, aparentemente, os europeus medievais perderam o domínio das técnicas de cerâmica até o retorno de Marco Polo, que estabeleceu a Rota da Seda entre a Itália e a China, no início do século XIV. O Explorador retornou encantado com a qualidade das peças chinesas e indianas.

Em pouco tempo, no entanto, franceses, italianos, ingleses e alemães conseguiram dominar a arte, direcionando-a para a produção em escala industrial. Em 1830, teve início a esmaltação industrial da cerâmica (a esmaltação artesanal já era um processo conhecido pelos antigos romanos).

No Brasil

Já foram encontrados artefatos de cerâmica com mais de dois mil anos, quase sempre junto à beira de rios. Na época do Descobrimento, diversas nações indígenas já dominavam a arte, só difundida na Europa pouco antes, no século XIV.

A civilização marajoara (uma sucessão de grupos humanos que habitaram a ilha de Marajó, no Pará, entre os anos 400 e 1400), ficou famosa pela sua cerâmica: que é estudada em fases: ananatuba, mangueiras, formigas, marajoara (a mais sofisticada) e aruã. A arte destes povos só foi descoberta em 1875 e datada apenas no início do século XX.

Durante todo o Brasil colonial, era comum, nos engenhos de açúcar, manter um forno de tijolos para a produção de louças de argila: era uma demonstração de status. A partir do século XVIII, as famílias abastadas passaram a importar porcelanas da Índia.

A cerâmica hoje

A arte continua presente no cotidiano da humanidade até hoje, como comprovam as xícaras do “cafezinho nosso de cada dia” e os pratos de nossas refeições. A construção civil desenvolveu outras aplicações para a cerâmica, como tijolos, azulejos e ladrilhos. Esta é considerada a “cerâmica tradicional”.

Já a chamada “cerâmica avançada” é aplicada na engenharia, para a produção de ferramentas de corte para usinagem e tijolos refratários para fornos, componentes eletrônicos para automóveis e até astronaves, entre outros. A tecnologia dos ônibus espaciais encontrou um uso especial para a cerâmica: a NASA desenvolveu um revestimento de cerâmica dos veículos, que enfrentam temperaturas de até 4.500°C durante a reentrada na atmosfera terrestre.

Siga-nos no Facebook
Receba atualizações do Blogadão no seu email,
ganhe brindes e participe de promoções!
É gratuito!

Comente no Facebook

Comente

Receba atualizações no seu email.
Participe de Promoções.