refinansiering forbrukslån | forbrukslån | betale depositum med lån

A história da Bíblia

Dividida em dois grandes grupos – o Antigo e Novo Testamentos – textos da Bíblia são sagrados para as religiões do Ocidente.

A Bíblia é um livro que descreve, no Antigo Testamento, a criação do mundo, a história dos grandes patriarcas e a saga dos hebreus (posteriormente judeus) na construção de sua nação. Estes textos: do livro da Gênese a Malaquias, são sagrados para o Judaísmo.

A segunda parte é composta pelos Evangelhos (narrações dos atos de Jesus, sua vida, sofrimento e morte), seguidos pelos “Atos dos Apóstolos” (que contam a origem das primeiras instituições cristãs), cartas de discípulos do Cristo (Paulo, João, Tiago, Pedro e Judas) e finaliza com o Apocalipse, narração do fim do mundo, para os fiéis, ou simplesmente uma séria advertência a igrejas cristãs, para que não se aproximassem do poder de Roma, de acordo com a análise de muitos historiadores.

Gosta de Curiosidades? Entretenimento? Vídeos legais? Clique para curtir o Blogadão

O Novo Testamento é sagrado para os cristãos e reverenciado pelos muçulmanos, que consideram Jesus um profeta. A palavra Bíblia vem do grego e significa simplesmente “livro”. Os fiéis costumam apor o adjetivo “sagrada” para referir-se a este material, que compõe a obra impressa mais vendida em toda a história.

Nem todos os livros bíblicos são aceitos pelas igrejas criadas a partir da reforma luterana (as chamadas igrejas protestantes). Tobias, Judite, Macabeus (1 e 2), Sabedoria, Eclesiastes e Baruc foram retirados do Cânon, além de partes de Daniel e Ester.

Tempos bíblicos

Religiosos acreditam que os 40 livros que compõem a Bíblia foram divinamente inspirados e cobrem 1.600 anos. Os primeiros livros, que contam a criação, teriam sido escritos por Moisés a partir de 1445 a.C.; os livros cristãos, entre 45 e 90 na nossa era.

No entanto, a maioria dos historiadores afirma que os textos são bem mais recentes: a história da Bíblia teria surgido apenas depois do Cativeiro na Babilônia. Os judeus foram autorizados pelo imperador Ciro II a regressar para Jerusalém em 538 a.C. Só a partir de então os textos, provavelmente transmitidos pela tradição oral, teriam começado a ser compilados. A reconstrução da identidade nacional, abalada por 60 anos de cativeiro, provavelmente foi reforçada com o erguimento do Templo e a organização dos textos de suas origens e peripécias pela história.

Mitologia e religião

Muitos autores esforçaram-se por conciliar a história relatada pela Bíblia com os avanços da ciência. Sabe-se hoje que relatos como a criação do mundo em seis dias, a introdução do primeiro casal no jardim do Éden, a construção das primeiras cidades (por Caim, o irmão homicida), por exemplo, são apenas alegóricas: trata-se de explicações de um povo primitivo para entender o mundo.

Mesmo o decantado monoteísmo judaico, construído a partir do século XIX a.C. (com as revelações de Deus ao patriarca Abraão) encontra contestações na própria Bíblia: o termo usado nos cinco primeiros livros (que formam a Torá judaica e contam a história até a chegada dos hebreus à Palestina) é “elohim”, que significa “deuses”, e está relacionado às divindades ancestrais semíticas.

De qualquer forma, os textos do Antigo Testamento mostram claramente que Javé é uma divindade nacional, que castiga os inimigos (egípcios, filisteus, babilônios, etc.) e mesmo seu próprio povo (no relato bíblico, várias vezes Deus dirige-se a Moisés dizendo: “sois o povo que escolhi para ser vosso Deus”), quando hebreus e judeus não obedeciam a seus mandamentos.

O estabelecimento da religião judaica, na história real, é bem mais recente. Havia disputas religiosas. Nas crônicas dos reis, relata-se que “muitos reis não andaram com o Senhor”, o que significa que adoraram outros deuses. Jezebel, princesa fenícia que se casou com o rei Acab, assalariou 400 sacerdotes do deus Baal à custa dos cofres de Israel.

Quando os judeus retornaram a Jerusalém, a cidade estava ocupada por samaritanos, povo que adotava algumas práticas do antigo Judaísmo. Judeus e samaritanos nunca se reconciliaram.

O importante, nisto tudo, é que a tolerância prevaleça. É possível respeitar as crenças de quem acredita no relato literal da história da Bíblia, nos que creem em interpretações alegóricas e também nos que apenas veem nos textos belas lendas de um povo que tentava interpretar o que via ao seu redor.

Siga-nos no Facebook
Receba atualizações do Blogadão no seu email,
ganhe brindes e participe de promoções!
É gratuito!

Comente no Facebook

01 Comentário

  • Eu creio na Bíblia como ela sendo Sagrada, e Jesus sendo o caminho para o céu; o caminho para uma vida pessoal e familiar feliz, atraves dela encontrei a felicidade para minha vida pois tinha tudo que precisava menos alegria, depois de conhecer Jesus atraves da leitura da Bíblia tudo mudou, sou uma pessoa feliz, meu esposo que antes de crer e aceitar a palavra de Deus era um bêbado caído na sarjeta, não trabalhava mais, ficou desiludido da vida, por fim nem banho tomava mais e ainda adquiriu uma enfermidade incurável , mas quando ele aceitou Jesus atraves da palavra de Deus, tudo mudou !!! Jesus libertou ele dos vícios de beber e fumar, curou a enfermidade que era incurável, transformou numa ótima pessoa, e somos uma familia muito feliz!!! nenhum outro livro pôde fazer isso por mim, pois eu havia lido muitos, eu amo a Bíblia Sagrada é um tesouro sem preço!!!

Comente

Receba atualizações no seu email.
Participe de Promoções.